Menu Fechar

FORCE
COMISSÃO EUROPEIA

FORCE
COMISSÃO EUROPEIA

PROJETO EUROPEU FORCE

O projeto FORCE - CITIES COOPERATING FOR CIRCULAR ECONOMY, visa definir uma nova estratégia e abordagem na produção, distribuição e consumo de diversos produtos e materiais, hoje enquadrados numa economia linear, determinado a geração de desperdício ao longo de todo o ciclo de vida do produto. Essa nova abordagem tem por base o modelo de economia circular.

As quatro cidades envolvidas no projeto - Copenhague, Hamburgo, Lisboa e Gênova - têm como missão envolver empresas, cidadãos, universidades e centros de investigação em novas parcerias colaborativas, baseadas na cadeia de valor para criar e desenvolver soluções eco-inovadoras.

Cada cidade assumiu assim 4 grandes eixos de combate ao desperdício, definição e desenvolvimento de soluções inovadoras que deverão ser replicáveis não só nas restantes cidades parceiras, como também globalmente:

A Cidade de Copenhaga é responsável pelo fluxo dos plásticos;
A Cidade de Hamburgo
é responsável pela recuperação dos metais provenientes dos resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos;
A Cidade de Génova
é responsável pelo fluxo das madeiras;
A Cidade de Lisboa
é responsável pelo ciclo completo dos orgânicos, que inclui as refeições/bens alimentares e os resíduos orgânicos.

A ZERO DESPERDÍCIO faz parte deste consórcio internacional e desenvolveu conjuntamente com a ADDAPTERS e The Ad Store Portugal uma nova plataforma digital que, a partir do modelo operacional ZERO DESPERDÍCIO da DARIACORDAR, se assume como a primeira plataforma totalmente dedicada à gestão de processos de economia circular possível de ser aplicada a qualquer fluxo para além do fluxo alimentar.

Em Lisboa, esta nova plataforma permite gerir toda a informação relativa aos doadores de refeições e bens alimentares (supermercados, grandes empresas, restaurantes, empresas de catering, etc), produtores de resíduos orgânicos e de resíduos de jardins e ainda informação relativa aos beneficiários e Juntas de Freguesia, IPSS e ONG envolvidas na rede. Inclui também informação sobre os circuitos de remoção do Departamento de Higiene Urbana e sobre o composto produzido na Estação de Valorização Orgânica da Valorsul, que poderá ser utilizado em jardins e parques municipais (fechando o ciclo dos orgânicos).

 
 
 
 
 

Em Lisboa, esta nova plataforma permite gerir toda a informação relativa aos doadores de refeições e bens alimentares (supermercados, grandes empresas, restaurantes, empresas de catering, etc), produtores de resíduos orgânicos e de resíduos de jardins e ainda informação relativa aos beneficiários e Juntas de Freguesia, IPSS e ONG envolvidas na rede. Inclui também informação sobre os circuitos de remoção do Departamento de Higiene Urbana e sobre o composto produzido na Estação de Valorização Orgânica da Valorsul, que poderá ser utilizado em jardins e parques municipais (fechando o ciclo dos orgânicos).

Objetivos globais e impactos do projeto FORCE - CITIES COOPERATING FOR CIRCULAR ECONOMY são:

Plásticos flexíveis: a reciclagem e atualização de 5.000 toneladas de plástico flexível de empresas e residências particulares permitirá a substituição de material virgem, o que corresponde à prevenção de emissões de 12.500 toneladas de CO2.

Metais: recuperação de 2 kg / cidadão de EEE (aproximadamente 3.600 toneladas) e reparação de cerca de 10% a 20%, bem como ativação de uma campanha de comunicação para o alcance de 100.000 cidadãos e apoio de pelo menos cinco PME que reparam dispositivos EEE danificados.

Resíduos de madeira: recolha de mais 12.000 toneladas de resíduos de madeira de áreas urbanas e montanhosas, para transformação em novos produtos ou produção de compostos a partir da madeira.

Resíduos orgânicos: recuperação de cerca de 7.000 toneladas de resíduos orgânicos provenientes do fluxo municipal de resíduos mistos: 3.000 toneladas provenientes de restaurantes e hotéis e 4.000 toneladas provenientes de residências.

As parcerias resultarão na criação de soluções viáveis ​​de mercado ecoinovadoras, exploradas pelos parceiros. A replicação em outras cidades será incentivada, garantindo assim a competitividade da economia circular europeia e o crescimento verde.